Meet Luca Moreira, the new generation of MMA

Meet Luca Moreira, the new generation of MMA 

Like any young always have a dream in life is no different Luca Moreira, born in May 1998 at the age of 16, the young talent already bold outlines goals for career, in an interview with our team, Luca confessed how difficult it is being so young fighter’s career, he age so low, there is a rejection of society, and like any great fighter, Luca tries to break the prejudice that unfortunately still have in the world.


Luca’s passion for MMA began very early, as early as eight years of age, already Rio took its first steps in the fight game, and his first step was to roost, but as time went by, capoeira became only “another kind of dance” than a fight. Another important factor was the influence of friends and of course his own desire to enter the world of pro Luca Moreira MMAfights. According to Luca, after he began to follow the UFC, he received another kind of motivation, and that his inspiration was always watch fights of Brazilian idols such as Anderson Silva, Belfort and American Chris Weidman. But surely, the fighter said’m expectation about what really is the MMA was when came to the gym to train Muay thai, he said afterward, began to take a broader view of what was an MMA fight.


Like any 16 year old certainly is still studying, and many wonder, will that Luca can study and engage the martial arts at the same time? He said yes, even why the shifts are quite far apart, study in the morning and evening workouts, it certainly is an inspiration to many young people who sometimes complain only to study. Another factor that could disrupt their training is their social life, but even that can take the focus off the fighter he said on his Facebook already has over 27,000 followers and fame begins to arrive early and well, it can be disrupt the focus of Luca? Surely not because it is a well established and focused on what has to do kid. Perhaps the most difficult moment in life, was to have suffered bullying at school, according to him, the faze colleagues to be more introverted and focused more on studying than annoy, and how every practitioner of martial art, the first lesson is respect, and for that alone did not react to insults from classmates, great example.


Check out the interview that Luca has given us:

Because he wants to be an MMA fighter?

Luca :  Face in the good, it has many reasons that I ended up finding them during my childhood and my teenage years, because from the age of 8 I started training in capoeira that despite being from what I’ve been noticing, I believe that capoeira is already another type of dance than a fight for some people, because ever since then, I was very influenced by my friends and I ended up also arousing interest in the struggles, I began following many events of the Ultimate Fighting Championship, as the struggles of Anderson, Belfort or Chris, and the UFC I can say that these were my first influences in fights, ie I kept seeing the series of Fight in UFC, and always thinking, man should be like the feeling you get in Octagon, you win, and live that experience, plus my perspective only increased even when I started in Muai Thay in April last year, when I had a huge opportunity to have my first contact with the Muai Thay, and have a profound vision of MMA.

On which fighter you look up to and admire?

Luca:  I have too much influence, and desire to base my future career of Chris Weidman profile because I think in my opinion it was a revelation beyond the United States, the fight he did with Anderson Silva in Las Vegas, was so surely a ‘scare’ to the Brazilian people, the more I with all due respect to the Brazilian people, and I also see Anderson as a legend of MMA here in Brazil, more in this term, and also most of the struggles that Chris has happened in recent years, I adequei me his personality.

What is your goal in the fight world?

Luca:  My goal and introduce a new era in MMA, because I believe, seriously, now that I see it very difficult and a fighter who is beginner, still can join this reality today, which is the branch of martial arts, and that you looking for an adult fighter back in the late 20s, is already being difficult, but than you think for one of 17 people, who despite having some knowledge in the sport, is not accepted by society, so my main goal here and break this barrier, and there gives an incentive to staff who also are trying to climb.

Who are those responsible for their training?

Luca:  Well the main mentors who gave this start to my “career”, were my great teachers I’ve ever had, and still have, we can mention here, is the fighter Mauricio Rossi who introduced me to Muai Thay, and also gave me a vision of MMA, I want to take a merit mention here, and that what makes it special for me, one key staff person, was his victory at Jungle Fight 34 in 2011, in which he was the author of “knockout Lightning, “a fight that had between him and Daniel Luis Siqueira, it was a struggle just 3 seconds. Also like to thank my team, Daniel Palm beyond Central Fight Team, and also the Royal Fight Team. The guys there now numbering more than 28 000 who accompany me in, so always updated with me, and that social networks every day encouraging me not to give up that dream.

Already have a fight scheduled for the coming months?

Luca:  Well guy, fight for what I said up there in the interview, is a difficult thing, the more we ta chasing, Mauricio and the Royal is already chasing, but stay tuned there, the rolling news on Facebook you will be the first to know for sure.

What is the importance of martial arts inside and outside the ring?

Luca:  Well, I feel that the major change that affected me was that my self esteem increased significantly, introducing me to a point in my sports resume that already had before capoeira and swimming, and was very good because this term I was now talked of Muai Thay I met in 2013, and I believe he was the one who gave me a “raised” because I, in my opinion as a sportsman, I saw capoeira, because as we all know that the Capoeira is a mixture of dance to fight, and I thought it was much more dancing than fighting, and I saw compared to the Thai boxing and English, they are more fights and techniques, out of capoeira because even queasiness.

It is hard to balance your time between fights and high school?

Luca:  Not much, type of study morning and evening workout, just what disturbs me even in times of trial and because there left me two options, either I have to get away from the struggles of race season, or I study to worth afternoon and in the evening I workout at Fight Central, which is here close to home. More I’m quite insecure when studying the same afternoon, and it’s time to go train more thank god everything has fallen into place so far in the 9th year.

The fights have very interfering in your social life?

Luca:  More or less because my friends until sometimes give some comments, which I do not particularly enjoy very much, my family also, more in compensation I really enjoy receiving this recognition. The staff of media, including Facebook, that are the 17 000 who interact most with me, I thank these also there from the bottom of my heart.

Have you experienced bullying because of his career just eight years?

Luca:  I suffered, as I said in the previous question, many of my friends, fellow students, bore me, and the worst of martial arts and I could not react (laughs), although most of all, do not care about that, because I have proud to be who I am, and where I have gotten already arrived.

Think bilingual knowledge would be important in the future of your career?

Luca:  Dude can absolutely yes, but I did not commit myself early on in capoeira knowledge of languages, most have done several courses in English, but never follow.

Do you feel nervous about the struggles that lie come from?

Luca:  A little more giving ta get over.

Leave a message for the guys

Luca:  Oh people my message is simple, and is based on a sentence “Every dream that you leave behind, is a piece of your future that no longer exists.” Ie you fan of any sport, and is watching it on TV, games, fights, and you’ve ever dreamed or had that same thought I had, trying to live that experience, just a tip, chase, and because so it all begins, as the reporter was Richard Pinheiro told me while I talked to him there’s , man is simple, you fight, there goes the rest appearing therefore, is and besides, you should think about a thing, have hope and never give up the chase, will never be too late to prove, nor did I face when I was about seven, I was too scared to play football because of the ball, there’s what I did, I was on a beautiful day hitting a ball there, and boy was playing with confidence, what happened I took a hefty, and I was not afraid, so what I did, I thought, if I face a hefty is leading to, and had no more fear, then the fight will be the same, I’ll try, and if I do not try, I’ll never get, and imagine if I had not tried, I would not have gotten this far, would not influence or anything, so that you there are only seeing, I’ll give you a hint, only one, try and never give up.

.ads in wordpress

Como todo jovem tem sempre um sonho na vida, Luca Moreira não é diferente, nascido em maio de 1998, aos 16 anos de idade, o jovem talento já traça metas ousadas para carreira, em entrevista a nossa equipe, Luca confessou o quanto é difícil ser lutador tão jovem na carreira, segundo ele a idade tão baixa, há uma rejeição da sociedade, e como todo grande lutador, Luca tenta quebrar esse preconceito, que infelizmente ainda temos no mundo.


A paixão de Luca pelo MMA, começou muito cedo, logo aos 8 anos de idade, o carioca já dava seus primeiros passos no mundo da luta, e seu primeiro passo foi a capoeira, porém conforme o tempo foi passando, a capoeira se tornou apenas “mais um tipo de dança” do que uma luta. Outro fator importante, foi a  influencia dos amigos e claro a própria Luca Moreira MMAvontade de entrar pro mundo das lutas. Segundo Luca, depois que ele começou a acompanhar o UFC, ele recebeu mais uma espécie de motivação, e que sua inspiração sempre foi assistir lutas dos ídolos brasileiros como Anderson Silva, Belfort e o americano Chris Weidman. Mas com toda certeza, o lutador afirmou que sou expectativa sobre o que realmente é o MMA, foi quando entrou pra academia, para treinar Muay thai, segundo ele depois disso, começou a ter uma visão mais ampla do que era uma luta de MMA.


Como todo jovem de 16 anos, certamente ainda está estudando, e muitos se perguntam, será que Luca consegue estudar e se dedicar as artes marciais ao mesmo tempo? Segundo ele sim,  até mesmo por que os turnos são bem distantes um do outro, estudo na manhã e treinos a noite, com certeza isso serve de inspiração para muitos jovens, que as vezes reclamam só de por estudar. Outro fator, que poderia atrapalhar seus treinamentos é sua vida social, porém nem isso consegue tirar o foco do lutador, segundo ele, em seu Facebook já contém mais de 27 mil seguidores, e a fama começa chegar e bem cedo, será que isso pode atrapalhar o foco de Luca? Com certeza não, pois é um garoto bem determinado e focado no que tem que fazer. Talvez o momento mais difícil na vida, foi ter sofrido Bullying na escola, segundo ele, os colegas o chateavam por ser mais introvertido e mais focado em estudar do que incomodar, e como todo praticante de Arte Marcial, o primeiro ensinamento é o respeito, e só por isso não reagia aos desaforos dos colegas de classe, grande exemplo.


Confira a entrevista, que Luca nos concedeu:

Porque quer ser um lutador de MMA?

Luca: Cara na boa, isso tem muitos motivos que eu acabei descobrindo eles durante minha adolescência e minha infância, porque desde os 8 anos eu comecei a treinar na capoeira que apesar de ser pelo que eu ando percebendo, eu acredito que a capoeira já é mais um tipo de dança, do que uma luta pra algumas pessoas, pois então desde essa época, eu era muito influenciado pelos meus amigos e também acabei despertando um interesse pelas lutas, comecei a acompanhar muitos eventos do Ultimate Fighting Championship, como as lutas do Anderson, Belfort ou do Chris, bem do UFC eu posso dizer que esses foram as minhas primeiras influências nas lutas, ou seja, eu ficava vendo as séries do UFC no Combate, e sempre pensando, cara como deve ser a sensação de você entrar num octógono, de você vencer, além de viver, aquela experiência, mais a minha perspectiva só aumentou mesmo, quando comecei no Muai Thay em abril do ano passado, quando tive uma oportunidade imensa de ter meu primeiro contato com o Muai Thay, e de ter uma visão profunda do MMA.

Em qual lutador você se espelha e admira?

Luca: Eu tenho muito a influência, e desejo basear minha futura carreira no perfil do Chris Weidman, pois acho que ele em minha opinião foi uma revelação lá dos Estados Unidos, a luta que ele fez com o Anderson Silva, em Las Vegas, foi assim com certeza um “susto” para o povo brasileiro, mais eu com todo respeito ao povo brasileiro, e eu também vejo o Anderson como uma lenda do MMA aqui do Brasil, mais nesse termo, e também na maioria das lutas de Chris que tem acontecido nos últimos anos, eu me adequei a personalidade dele.

Qual seu objetivo no mundo das lutas?

Luca: Meu objetivo e apresentar uma nova era no MMA, porque acredito, falando sério, hoje eu vejo isso que e muito difícil um lutador que seja iniciante, ainda conseguir ingressar nessa realidade de hoje,  que é o ramo das artes marciais, e que você vendo para um lutador adulto lá pelos 20 e tantos anos, já está sendo difícil , ai você imagina pra uma pessoas de 17, que apesar de ter algum conhecimento no esporte, não é aceito pela sociedade, então meu principal objetivo aqui e quebrar essa barreira, e dá ai um incentivo ao pessoal que também esta tentando subir.

Quem são os responsáveis pelo seu treinamento?

Luca: Bem os principais mentores que deram inicio a essa minha “carreira”, foram os meus grandes mestres que eu já tive, e que ainda tenho, que podemos citar aqui, é o lutador Mauricio Rossi que me apresentou ao Muai Thay, e também me deu uma visão do MMA, quero aproveitar pra citar um mérito aqui, que e o que faz dele especial pra mim, uma pessoa chave da equipe, foi sua vitória no Jungle Fight 34 em 2011, no qual foi ele o autor do “nocaute relâmpago”, uma luta que teve entre ele e o Daniel Luis Siqueira, foi uma luta de apenas 3 segundos. Também gostaria de agradecer a minha equipe, o Daniel Palmeira lá da Central Fight Team, e também a Royal Fight Team. A galera ai que hoje somam mais de 28 mil que me acompanham nas redes sociais, tão sempre atualizadas comigo, e que todo dia me incentivam a não desistir desse sonho.

Já tem alguma luta marcada para os próximos meses?

Luca: Bem cara, luta pelo que eu disse ai em cima na entrevista, é uma coisa difícil, mais a gente ta correndo atrás, o Mauricio e a Royal já está correndo atrás, mas fiquem atentos ai, as novidades que rolam no Facebook, que vocês serão os primeiros a saber, com certeza.

Qual é a importância das artes marciais dentro e fora dos ringues?

Luca: Bem, eu sinto que a principal mudança que me afetou, foi que minha auto estima aumentou bastante, eu to introduzindo mais um ponto no meu currículo esportivo, que antes já contava com a capoeira e a natação, e foi muito bom porque nesse termo que eu falei agora foi do Muai Thay que eu conheci em 2013, e acredito que foi ele quem me deu uma “levantada”, porque eu, na minha opinião como esportista, eu via a capoeira, porque como todos nos sabemos em que a capoeira é uma mistura de dança com luta, e que eu acreditava que era muito mais dança do que luta, e eu vi em comparação com o boxe tailandês e o inglês, que eles são mais lutas e técnicas, sai da capoeira porque enjoou mesmo.

Fica difícil conciliar seu tempo entre as lutas e o colegial?

Luca: Não muito, tipo estudo de manhã e treino de noite, só o que me atrapalha mesmo e em época de prova, porque ai me resta duas opções, ou eu tenho que me afastar das lutas pela temporada de prova, ou eu estudo pra valer de tarde, e no período da noite eu treino na Central Fight, que é aqui pertinho de casa. Mais eu fico bastante inseguro quando mesmo estudando de tarde, e chega a hora de ir treinar, mais graças a deus tudo tem se encaixado até agora no 9ª ano.

As lutas tem interferindo muito na sua vida social ?

Luca: Mais ou menos, pois meus amigos até que às vezes dão uns comentários, que eu particularmente não curto muito, da minha família também, mais em compensação eu curto muito recebe esse reconhecimento. O pessoal das mídias, incluindo o Facebook, que são os 17 mil os que mais interagem comigo, esses eu agradeço também lá do fundo do meu coração.

Já sofreu bullying por causa de sua carreira de apenas oito anos?

Luca: Sofri, como eu disse na pergunta anterior, muitos amigos meus, colegas de estudo, me chateiam, e o pior das artes marciais e que eu não poderia reagir (risos), mais apesar de tudo, não ligo pra isso, pois tenho orgulho de ser quem eu sou, e de ter chegado aonde eu já cheguei.

Acha que conhecimento bilíngue seria importante no futuro de sua carreira?

Luca: Cara pode claro que sim, porém eu não me dediquei desde o início na capoeira ao conhecimento de idiomas, mais já fiz cursos diversos de inglês, mais nunca segui.

Você se sente nervoso com as lutas que estão por vim?

Luca: Um pouco, mais ta dando pra superar.

Deixe um recado para a galera

Luca: Ai gente meu recado é simples, e é baseado em uma frase “Cada sonho que você deixa pra trás, é um pedaço do seu futuro que deixa de existir”. Ou seja, você fã de qualquer esporte, e fica assistindo na TV, aos jogos, as lutas, e você já sonhou ou teve esse mesmo pensamento que eu tive, de tentar viver aquela experiência, só uma dica, corra atrás, porque e assim que tudo começa, foi como o repórter Richard Pinheiro me disse enquanto eu conversava com ele lá do, cara é simples, você luta, ai o resto vai aparecendo consequentemente, e é além disso, você deve pensar em uma coisa, tenha esperança e nunca desista de correr atrás, nunca vai ser tarde demais pra se revelar, foi que nem eu cara, quando eu tinha uns sete anos, eu tinha muito medo de jogar futebol por causa da bola, ai o que eu fiz, eu tava em um belo dia batendo uma bolinha lá, e cara tava jogando com confiança, o que aconteceu eu levei uma bolada, e não tive medo, então o que eu fiz, pensei, cara se eu to levando uma bolada é, e não tive mais medo, então na luta vai ser o mesmo, eu vou tentar, e se eu não tentar, eu nunca vou conseguir, e imaginem se eu não tivesse tentado, eu não teria chegado até aqui, não teria influência, nem nada, então vocês que só ficam ai vendo, vou dar uma dica, somente uma, tentem, e jamais desistam.

No Comments Yet.

Leave a comment